Mapa do site
 
  Você está em Home » Notícias sobre Cunicultura MARINGÁ - PARANÁ - BRASIL  
 
A GOL Transportes Aéreos é a transportadora exclusiva da Granja Paraíso para todas as cidades do Brasil servidas com vôos regulares.
 
623.800 visitas
5.038.923 pág. vistas
Rastreamento de Objetos

Notícias sobre Cunicultura

LINKS PARA MATÉRIAS SOBRE CUNICULTURA

http://www.paginarural.com.br/noticia/24895/pr-passaporte-para-coelhos

http://pecuaria.ruralbr.com.br/noticia/2012/04/sebrae-defende-ampliacao-do-mercado-de-carne-de-coelho-no-brasil-3724864.html

 

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS - SEBRAE - SANTA CATARINA

         (matéria publicada em março de 2004. Hoje, os valores são bem maiores)

Depois da Patagônia, França e Catalunha, agora chega a vez do Brasil, mais particularmente da cidade de Benedito Novo, no Vale do Itajaí (SC), sediar uma das unidades do grupo francês Genevo. Trata-se da Agroindustrial Brasileira de Cunicultura , empreendimento que receberá investimentos de US$ 2,5 milhões e compreenderá a criação de coelhos em 24 galpões e uma unidade abate, a ser instalados em uma área de 80 mil metros quadrados. 

O grupo francês tem por objetivo a exportação de carne, pele, urina e fezes de coelhos.“Nossa intenção é iniciar os embarques até setembro para Europa e Estados Unidos”, disse o diretor da empresa, Sic Gabrielevich.

O executivo explica que inicialmente as operações do grupo no País terão como enfoque apenas o mercado externo. “Só iremos atuar no mercado doméstico caso a demanda por esse tipo de produto aumente.”

Ainda segundo o executivo, a empresa terá capacidade para criar sete mil animais. Já o frigorífico terá capacidade para abater 250 toneladas de coelhos/ano. 

Gabrielevich disse que a empresa deverá ter um faturamento superior a US$ 12 milhões por ano. 

Motivos

A empresa francesa escolheu o Brasil para montar sua nova unidade em razão dos benefícios fiscais que recebeu do município de Benedito Novo. Além disso, a Genevo pagará 35% a menos pelo abastecimento de energia elétrica. “Nós também levamos em conta os salários do Brasil, que em comparação com os europeus e norte-americanos tornam o custo de produção menor.”

Segundo a prefeitura da cidade, a entrada da Agroindustrial de Cunicultura irá gerar cerca de 130 empregos diretos na região e outras 500 vagas indiretas. Entraram na “disputa” pela instalação da empresa as cidades de Rio Negrinho e Rio do Sul, mas Benedito Novo acabou por vencer a disputa.

Outros fatores que contribuíram para a instalação da unidade em Itajaí, fora, a proximidade dos Portos de Itajaí e São Francisco do Sul — que facilitarão o escoamento da produção — também foi o clima local apropriado para esse tipo de atividade. 

Coelho Real

Além da Genevo, outros grupos brasileiros que apostam na cunicultura também estão de olho nas exportações. Esse é o caso da Coelho Real , instalada na cidade de Salto de Pirapora no interior do Estado de São Paulo. “Já vendemos a carne para grandes redes de supermercados, hotéis e resorts. No entanto, em 2004, nosso objetivo é colocar a marca também no exterior. O mercado que queremos absorver é o da França, grande consumidor de coelhos”, diz a proprietária da empresa, Eliana Rache. 

A Coelho Real tem capacidade para abater 20 mil animais por mês. Hoje, o frigorífico já abate cerca de 10 mil cabeças/mês. 

Segundo Eliana, a empresa tem um plantel próprio de cerca de 6 mil animais e hoje vende seus produtos congelados para os principais supermercados do País, como a Rede Pão de Açúcar e Carrefour. 

Além da criação própria de coelhos, em razão do aquecimento da demanda e dos planos de exportação, a empresa irá adquirir animais de pequenos produtores do Estado de São Paulo. 

Criação

O custo de criação por animal é de R$ 1,75. As avícolas são as que pagam mais pelo quilo vivo do coelho, cerca de R$ 4,00. Já os frigoríficos pagam R$ 3,00 por quilo. 

Segundo o proprietário da Granja Angolana , localizada em São Roque (SP), Henrique Paraschin, a carne do coelho ainda é considerada cara pelo consumidor brasileiro. “Hoje, o quilo custa cerca de R$ 15,00 para o comprador final.”

O coelho é um tipo de animal que se reproduz rápido e tem um retorno financeiro em apenas 75 dias, quando o animal já está pronto para o abate.

A Granja Angolana, localizada em São Roque (SP), cria coelhos para a venda em avícolas e também para frigoríficos. 

Mercado nacional

O Brasil tem hoje cerca de 75 mil cabeças de coelho para fins comerciais. 

Desse total, aproximadamente 50% estão localizadas no Estado de São Paulo. 

Atualmente, são produzidas aproximadamente 40 toneladas da carne congelada no País a cada ano. 

No mercado doméstico, as vendas de carne de coelho crescem cerca de 20% ao ano, segundo os produtores. 

No País, a atividade já dispõe de seis frigoríficos especializados no abate desse tipo de animal. 

Anteriormente, o processo era feito por abatedouros de aves e nas avícolas.


GRIFES DE PERFUMES SÃO CLIENTES

Grifes internacionais de perfumes — como Paco Rabane, Kenzo e Christian Dior — fazem parte da lista de clientes dos subprodutos derivados da cunicultura — criação de coelhos.

Segundo os criadores, as grifes utilizam a urina do animal na fixação dos perfumes. 

O material também tem aplicações exploradas por fabricantes de outros tipos de cosméticos.

Em relação à carne, os principais compradores no mercado externo são os Estados Unidos e a Europa. 

Segundo os criadores, além da carne e da urina, os produtores que se dedicam à atividade podem complementar a renda com a exploração comercial de outros subprodutos do coelho que possuem grande aceitação no mercado.

A pele congelada, por exemplo, é vendida pelo produtor por cerca de R$ 1,00. 

Já o insumo curtido tem um valor agregado maior, R$ 7,00. 

A Bélgica e a Coréia são os maiores interessados na compra da pele do animal. 

O animal também produz um adubo de alta qualidade para a agricultura. 

Outro subproduto do coelho que apresenta aproveitamento comercial para os criadores é o cérebro. 

O material pode ser vendido para estudos realizados por laboratórios.

Fonte: DCI

 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

CUNICULTURA - REPRUDUÇÃO DOS LUCROS

REVISTA RURAL No. 115 - SETEMBRO - 2007

Criação de coelhos se mostra uma boa atividade para quem quer velocidade no retorno financeiro. Seu Ludwig Dewald Paraschin sempre quis viver no campo e dele tirar o seu sustento. Para isso, estudou zootecnia e se empenhou em adquirir uma propriedade rural. Seu gosto pela criação de animais veio de seu avô, imigrante suíço que criava coelhos em sua terra natal e continuou com a cunicultura quando veio ao Brasil, no começo do século passado. “Tomei gosto pela criação. No começo era mais um hobby e só bem depois é que vim tirar dele o meu sustento”, explica seu Ludwig, ou Ludovico, como prefere ser chamado. Hoje, Ludovico possui uma propriedade destinada à criação de diversos animais, como cabras, carneiros, aves ornamentais, pôneis, emas e até antas. “Mas o carro-chefe da minha criação são os coelhos”, conta o criador.


Visitando a sua fazenda, localizada no município de São Roque, interior de São Paulo, fica evidente que a criação de coelhos realmente domina seu numeroso e diversificado plantel. “Temos de 7 a 10 mil coelhos na propriedade, dependendo da época do ano”, explica o criador, que explora comercialmente a cunicultura desde 1962. “Mas crio animais desde que me conheço por gente”, afirma Ludovico, que por conta do câmbio, quebrou em 1992. “Nossa produção era toda voltada para o mercado externo. Por causa da desvalorização do dólar tivemos que nos readaptar e procurar explorar mercados aqui dentro do Brasil”, explica. Essa lição passada o ajudou a se fortalecer e hoje, o dólar muito baixo não afeta em nada a sua produção. “É preciso inovação e adaptação”, afirma Ludovico.

Embora haja um grande número de raças e variedades de coelhos, aconselha-se, exceto em casos excepcionais, que o criador se dedique em uma, duas ou no máximo três raças, pois os problemas e os custos de um modo geral aumentam com o número de raças criadas. Como o que interessa em uma criação são os lucros, o criador não deve ficar fazendo experiências, o que pode custar muito caro. O melhor e mais barato é aproveitar a experiência dos outros. Assim sendo, deve-se escolher raças aperfeiçoadas e já aprovadas. No mundo existem mais de 100 raças. Aqui no Brasil os criadores se dedicaram a criar em torno de 18 raças. Acredita-se que o coelho doméstico tenha surgido na península ibérica. Este por sua vez provém do coelho selvagem, originário da Ásia, que seguiu as migrações humanas até a Europa, instalando-se em regiões nórdicas. A última era glacial, a cerca de 80 mil anos atrás provocou a fuga para lugares mais quentes, como a península ibérica (Portugal e Espanha) e o norte da África. Outra versão conta que os coelhos domésticos vieram do norte da África e que foram os povos provindos dessa região que introduziram o coelho na Europa, através da Espanha. Quando os fenícios fundaram Cadiz, no sul da Espanha, relataram nos seus escritos que eles assediavam a cidade numa terra por eles chamada de Hispania, palavra de raiz hebraica que parece significar “país dos coelhos”. O coelho selvagem, modificado pela clausura, com uma alimentação equilibrada e abundante, e uma seleção racional, era criado em países situados até 66 graus de latitude. Da Espanha passou para a Itália na época dos romanos, no século III antes de Cristo, segundo o testemunho do escritor Varron, e também na França. Em definitivo podemos dizer que a Espanha foi a porta de entrada do coelho na Europa. Há somente 270 anos existiam de 5 a 6 raças de coelhos domésticos, ao passo que hoje podemos contar com umas 50. Entretanto, a verdadeira seleção de raças domésticas teve início na metade do século XVII e foi no fim desse período que apareceram várias raças provindas, seja da seleção praticada nos coelhos comuns, seja pela aparição de mutações (Castor-Rex) ou seja pelos cruzamentos.

A história do coelho nos revela uma real e extraordinária evolução desse roedor, inicialmente selvagem, mas transformado, graças ao tempo e à mão do homem, a ponto de hoje ser um animal dócil e apto à exploração industrial.

Mas, para que a criação de coelhos dê frutos, são necessários cuidados essenciais, como por exemplo, localizá-la perto de um centro de consumo e, principalmente, desenvolver instalações adequadas para os coelhos. “Os galpões são parte importantíssima da criação e têm de ser limpos e higienizados constantemente, além de ter de proteger os animais da friagem”, explica Ludovico. Os coelhos devem ser criados em gaiolas individuais, com bebedouros automáticos (de preferência) e cumbucos para ração e devem ficar instalados em galpões. Essas instalações devem ser feitas de gaiolas de arame galvanizado, facilitando um bom manejo, higiene e durabilidade e proporcionando agilidade no trabalho. As gaiolas devem ser suspensas em um andar e o piso do galpão deve ser de terra. A lateral do galpão deverá ser fechada com tela e cortinas que possam ser abertas e fechadas de acordo com o clima. As cabeceiras do galpão deverão ser fechadas. A construção do galpão deve ser feita em local seco e protegido de ventos fortes, obedecendo a posição das cabeceiras sentido nascente-poente, na região sul do Brasil, caso o terreno seja do lado sul, de onde vêm os ventos frios. Além da cortina, será necessário o plantio de um renque de proteção, como capim ou bambu. Do lado oposto, proteção contra o sol forte da tarde. Bananeiras ou Santa Bárbara são boas para esse fim. Em regiões quentes a criação deve ser protegida da insolação, portanto seria melhor localizá-la em lugares mais altos e arborizados. Além das instalações, são necessários cuidados com a alimentação e com a água, que deve ser filtrada e trocada constantemente. “Também aplicamos um produto contra sarna à base de ivermectina”, explica Ludovico.

Tomando os devidos cuidados com as instalações, manejo e alimentação, os lucros com a cunicultura ficam bem mais próximos e altos. Isso porque a criação de coelhos possui múltiplos e rentáveis propósitos. “Depende do interesse, mas a principal finalidade é a carne, que é o carro-chefe de qualquer criação”, explica Ludovico. Um coelho vai para o abate com 2 quilos e meio e o frigorífico paga em média 12 reais por animal. Existem cerca de 9 frigoríficos exclusivos para o abate de coelhos no Brasil. Em São Paulo se localizam 3 deles. Em Santa Catarina outros 2, no Paraná mais 2 e em Minas Gerais outros 2, fora outros frigoríficos pelo Brasil que não são exclusivos mas também abatem coelhos. Além da carne, é possível explorar a pele do animal para confecção de artesanato e roupas. Da raça Angorá é possível se extrair lã. Cada coelho dessa raça fornece 150 gramas de lã por tosquia ou 1,2kg por ano. O mercado externo (principal comprador) paga 25 dólares por kg de lã, que também é chamada de caxemira. O coelho também fornece adubo orgânico, que possui um alto valor no mercado. Outros grandes compradores da criação de coelhos são os laboratórios farmacêuticos que os utilizam para testes com cosméticos e universidades que procuram os animais para experiências e demonstrações. Até o cérebro dos coelhos têm serventia. Deles são retirados uma substância chamada tromboplastina, que é usada nas cirurgias médicas para verificar o grau de coagulação no sangue do paciente e também possui um alto valor agregado. Outro ganho que o produtor pode ter com o coelho é a criação de raças destinadas a serem animas de estimação. São raças específicas, como o Hermelim, Holandês, Hotot, Lion, dentre outros. São menores e mais dóceis. Custam em média 50 reais e são vendidas para lojas de animais de estimação. Segundo Ludovico, a procura para essa finalidade é muito grande. “Toda a produção é vendida, não fica nada para trás”.

Além das múltiplas finalidades que pode ter o coelho, outra grande vantagem dessa criação é a sua precocidade e fertilidade. Um coelho nasce com aproximadamente 50 gramas. Com 60 dias já estão com 2kg e aos 90 dias estão com 2,5kg, peso ideal para o abate. A famosa fertilidade e proliferação dos coelhos é uma grande valia para os criadores. Uma fêmea gera de 8 a 12 filhotes por gestação e tem 5 crias por ano, ou seja, cada fêmea têm em média 50 filhotes por ano. O criador pode optar também por trabalhar com reprodutores também. Um bom reprodutor, com carcaça quadrada, em forma de paralelepípedo, vale de 60 a 70 reais. Se a finalidade da criação for corte, a raça ideal é a Nova Zelândia. “É o Nelore da cunicultura. É precoce, tem alta fecundidade e excelente conversão”, afirma Ludovico.

O manejo da criação de coelhos exige uma certa especialização. Uma pessoa pode cuidar de cerca de 500 fêmeas e seus respectivos filhotes. O manejo de 10 matrizes corresponde a meia hora de trabalho por dia. Um coelho adulto come cerca de 90 gramas de ração por dia. O quilo da ração para coelhos custa R$ 0,70 o que dá em média R$ 0,07 por coelho, por dia. Para quem quer entrar na cunicultura, é melhor começar com um número pequeno de animais. Um módulo piloto com 10 matrizes de duas linhagens diferentes com respectivos machos e a quantidade de gaiolas para cria e engorda, bebedouro e comedouro sai por R$ 2.600,00 em média.

 

Imprimir
Granja Paraíso - 2017 ® Todos os direitos reservados.
onTop webmarketing onTop webmarketing